Acessibilidade no Congresso Nacional Nov16

Tags

Related Posts

Share This

Acessibilidade no Congresso Nacional

A Folha visitou a Câmara, o Senado, o Palácio do Planalto, o STF (Supremo Tribunal Federal) e o MEC (Ministério da Educação), com o objetivo de mapear a acessibilidade dos locais por onde passarão os eleitos: Mara Gabrilli (PSDB-SP), Rosinha da Adefal (PT do B-AL) e Walter Tosta (PMN-MG) que começarão seus mandatos de deputados com duas graves desvantagens: não poderão subir à tribuna para discursar e não poderão integrar a Mesa Diretora (que comanda sessões no plenário).

Veja a matéria completa AQUI.

Mesmo os espaços que já existem e são considerados acessíveis não são exemplos de plena acessibilidade. As rampas, por exemplo, possuem inclinação e corrimãos inadequados. Nos sanitários faltam alguns itens.
Nas fotos tiradas pela Folha eu não reparei em nada que facilitasse o acesso e percurso de pessoas com deficiência visual, sempre esquecidos em projetos arquitetônicos. Veja todas as fotos AQUI.


Na foto acima foi apontada a ausência de lavatório dentro do box sanitário. Além disso a papeleira deve estar na parede lateral ao vaso. Também reparei que esse vaso deve estar com altura de 40 centímetros, e o certo é 45 centímetros.


Na foto acima a gente percebe claramente que a rampa é insegura, pois possui corrimão de apenas um lado. Além disso o carpete em contato com as rodas da cadeira dificulta o manuseio da mesma.


O sanitário acessível deve ser livre de objetos espalhados para não atrapalhar a área de giro da cadeira de rodas. A barra de apoio instalada junto ao vaso é para a área do chuveiro. Ao lado do vaso a parra de apoio deve ser reta, paralela ao chão. A papeleira deve estar posicionada 15 centímetros depois do término do vaso. E o lavatório precisa de barra de apoio também. São detalhes.

Tombamento:
O tombamento é o ato de reconhecimento do valor cultural de um bem, que o transforma em patrimônio oficial e institui regime jurídico especial de propriedade, levando-se em conta sua função social.
Em dezembro de 2007, o Iphan decidiu pelo tombamento da estrutura arquitetônica do Congresso Nacional. Isso não quer dizer que melhorias de acessibilidade não podem ser feitas, pois essas melhorias não interferem no volume dos prédios. Alguns detalhes deverão ser executados. Ainda dá tempo.